Nada como uma mini para acabar com a conversa

beer_homer.jpg

Apesar da campanha ser comprovadamente abichanada e mais promotora da rabetice do que o inverso, acho que ela passa uma mensagem muito clara: é tão ridícula uma campanha de orgulho hetero associada à cerveja Tagus como uma parada gay nas ruas das nossas cidades. E isto porque a razão da existência das duas é exactamente a mesma: chamar protagonismo para algo que apenas é consumido por uma minoria e fazer uso de soundbites para se fazer equivaler às escolhas da maioria.

Portanto é muito natural que os segundos, sempre assessorados pelos mesmos, tirem dividendos dos primeiros depois dos primeiros terem usado os segundos nesta campanha. Para mim, também não havia polémica, o reclame ficava-se por estas palavras e a cerveja pelo valor que tem.

Esta entrada foi publicada em Placebos. ligação permanente.

3 respostas a Nada como uma mini para acabar com a conversa

  1. rabetice é com c e não com ç, talvez isso seja çerveja mini a mais.

  2. hirudoid diz:

    Viva Amante da tagus. É sempre bom receber quem goste de cerveja.
    Como a palavra não existe, acho que posso tomar a liberdade de criar o neologismo como entender. Mas entendo a ideia e por isso, já corrigi!

  3. Pingback: O Insurgente » Blog Archive » Tagus, orgulho hetero e orgulho gay

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s