O aborto, again

A propósito do desfazamento do número de abortos feitos no actual quadro legal e os números muito superiores apresentados pelos defensores do Sim no referendo de Fevereiro, já disse o que tinha a dizer aqui e aqui, tendo aliás provocado fúria, rasgar de vestes, esborratamentos de rímel e baton, verborreias de insultos e afins na estimável e seriérrima e a melhor jornalista do mundo – uma fatwa se abaterá sobre quem questionar isto – Fernanda Câncio (e ainda bem, que eu sou católica mas não sou – ainda, pelo menos – santa e não me sinto muito inclinada à caridade para quem me acusa levianamente de escrever sob pseudónimo).

Agora a mesma Fernanda Câncio assina este artigo no DN, que tem destaque de primeira página apesar de o Sol ter dado a mesma informação há quase um mês, de resto num artigo bem mais interessante – ou descomprometido e, portanto, capaz de melhor jornalismo.

Sobre este texto de hoje do DN, faço minhas as palavras do PPM.

(Recomenda-se a leitura dos comentários do Luís Lavoura, a quem hoje lhe deu para a palhaçada e equipara um aborto a tirar um rim e diz coisas como “Se por acaso o aborto é um drama, é só porque a mulher que o faz tem ideias pré-concebidas na cabeça, noções sobre o caráter sagrado da maternidade ou da vida humana, etc e tal. Mas, se ela tem tais noções na cabeça, e se por causa dessas noções acaba por dar em doida, isso é culpa dela e de quem lhe enfiou tais ideias e preconceitos na cabeça.” A não perder para umas boas gargalhadas).

Acrescento: Vi hoje de manhã a revista de imprensa de David Pontes na RTPN, tendo ele referido o texto mencionado. Sem qualquer vergonha, o senhor falou dos números reais do aborto dizendo que afinal não se verificava o cenário catastrofista que os apoiantes do Não tinham previsto! Claro que a responsabilidade do número 20.000 abortos clandestinos por ano em Portugal – e que iriam passar para a legalidade – era da parte do Não, havia lá de ser de quem?

Acrescento nº 2: O Luís Lavoura não equiparou um aborto a tirar um rim, mas sim a tirar uma pedra de um rim. Desculpem-me o lapso.

Esta entrada foi publicada em Antianémicos. ligação permanente.

3 respostas a O aborto, again

  1. Pingback: Self defense « Farmácia Central

  2. Mário diz:

    Não se pode incutir empatia. Não se pode fazer com que alguém ache uma flor bela se essa pessoa não estiver para aí virado. Não é possível tornar alguém humilde. Quando foi altura do primeiro referendo, eu não compreendia as razões do pessoal do “não”. Apesar de à última hora não ter votado, percebo que estava do lado dos filhos da puta, dos alegres genocidas.

  3. Carmex diz:

    A falta de seriedade do que apoiaram o Sim é um poço sem fundo. Mas em vez de se calarem para ver se os outros se esquecem, teimam em mostrar-se como virgens inocentes de qualquer pecado. Não há paciência para estas pessoas sem valores nem vergonha!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s