Manuela

O PR, do Intromissões, perguntava-me ontem o que penso eu de Manuela Ferreira Leite e obviamente é absolutamente essencial escrevinhar aqui algumas linhas sobre os candidatos nas directas do PSD.

Manuela Ferreira Leite foi uma boa Ministra das Finanças – de um governo que tinha ministras em pastas duras e para gente grande e resiliente, não como os governos socialistas que têm sempre um par de mulheres decorativas (apesar de as aparências parecerem desdizer isto….) em pastas como a Saúde, a Educação, a Cultura, a Igualdade (!!!), a Segurança Social, aquelas áreas assintenciais e levezinhas que as mulheres, para os socialistas, conseguem aguentar – apesar da subida do Iva de 17% para 19% (que foi um erro). Conseguiu conter défices em anos muito complicados, recorrendo a receitas extraordinárias que tiveram o mérito de não onerar tanto os contribuintes como as posteriores subidas de impostos, taxas e taxinhas que caracterizam a corrente legislatura. É sem dúvida uma pessoa séria, determinada (durante o Governo Barroso teve os sociais-democratas muito descontentes com as suas contenções orçamentais e, no entanto, nenhuma contestação organizada ou sonora existiu) e de reconhecido mérito e prestígio.  Tem a sua corte de admiradores, sem dúvida nenhuma, como se comprova pela leitura de alguns blogues e por conversas avulsas que vou tendo com amigos (e marido, dos mais fieis). Contudo há algumas reservas da minha parte. Não sei exactamente que ideia tem ela para Portugal ou – questão central por estes dias – o mesmo é dizer que ideia tem para o papel do Estado na economia, na saúde, na educação e em mais meia dúzia de sectores e, se não for pedir muito, que ideia tem para começarmos a ter um sistema judicial em Portugal (o actual é só a brincar, como se comprova diariamente). Também: tenho algumas reservas sobre a capacidade de mobilização de MFL (mas se calhar estou errada, dada a dita corte de admiradores). Em todo o caso, é infinitamente melhor como líder do PSD e da oposição do que LFM ou Marques Mendes. Com as propostas políticas certas pode ser mesmo a ideal para dar uma valente sova a Sócrates em 2009. E tem a vantagem de ser mulher; a agressividade natural no animal feroz (e mal-educado) Sócrates fará muitos estragos (no próprio) se dirigido a uma senhora.

(Bem, há outro senão: aquele slogan do PSD “XXXXX, amigo, o povo está contigo” não rima com “Manuela, amiga, o povo está contigo”. Problema de difícil resolução…)

(E, já agora, leiam a opinião do PR).

Esta entrada foi publicada em Vitaminas. ligação permanente.

4 respostas a Manuela

  1. PR diz:

    Quanto a mim, há ainda uma forte desvantagem de Manuela Ferreira Leite: a questão da imagem (não em termos de beleza ou fealdade…).
    Neste momento, Sócrates é quase imbatível em termos de gestão de imagem. Está bem rodeado, e ensinado a fazer os outros pensar que ele é realmente bom (embora a mim não me convença..).
    Será que Manuela Ferreira Leite tem capacidade para erguer um complexo esquema de gestão de imagem semelhante ao de Sócrates? Ou melhor, será que o PSD, de uma vez por todas, se vai começar a preocupar com a gestão da imagem dos seus líderes?
    Se começar, de preferência que o faça sem alaridos, e sem se incompatibilizar com os gestores de imagem, como aconteceu com a Cunha Vaz.

  2. Joel diz:

    “Conseguiu conter défices em anos muito complicados, recorrendo a receitras extraordinárias que tiveram o mérito de não onerar tanto os contribuintes como as posteriores subidas de impostos, taxas e taxinhas que caracterizam a corrente legislatura.”

    Não percebo que efeito positivo teve este comportamento. As receitas extraordinárias a que recorreu não evitam o despesismo (tal como o aumento de impostos que os ultimos governos têm preconizado). A MFL parece-me mais preocupada com o orçamento que com a saúde da economia.

  3. AAC diz:

    Os restantes farmacêuticos estão de férias?

  4. Carmex diz:

    PR, sim, há essa desvantagem da gestão da imagem. Mas parece-me que MFL não tem má imprensa, o que já é qualquer coisa…

    Joel, de facto não evita o despesismo. Quanto a isso ainda não tivémos nenhum governo que tivesse uma política consistente e bem sucedida de contenção e redução da despesa pública. Mas prefiro o caminho de MFL ao brutal aumento da carga fiscal protagonizado por Sócrates; digamos que é menos mau.

    André, pois, não estão de férias… Eu estou quase a entrar em greve em sinal de protesto (pela solidão!), eh, eh, eh. Em todo o caso alguém pôs os posts todos com letra roxa e mesmo os que não são meus parecem meus!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s