Eu

Há muuuuitos dias, PR do Intromissões desafiou-me a escrever umas linhas autobiográficas e a acompanhá-las com uma imagem. O desafio era muito curioso, mas na realidade assaz difícil. Eu sou palavrosa e incapaz de comprimir a minha tão interessante (para mim, obviously) vida em poucas linhas, e depois se me punha a contar inconfidências, que isto das palavras é como as cerejas, sabe-se lá onde iria eu parar, ou – pior – se achariam o meu relato sensaborão (inevitável, parece-me) e concluiriam que não valia a pena voltarem a ler o que uma pessoa tão indiferenciada (o que eu consideraria um insulto) escreve aqui no Farmácia… Acresce a tão problemática questão que tenho tido muitos afazeres que me afastam do teclado e, em consequência, pouco tempo para dispensar a uma resposta que implica contenção (pareço o Santana Lopes!).

Como as minha indecisões nunca duram demasiado tempo, decidi-me por uma imagem de Picasso (entretanto alterada porque não aparecia no blogue, devido a problemas técnicos que me são absolutamente alheios, por uma imagem totalmente anos vinte, que a gente gosta desta estética de entre-guerras) que evoca a minha actual missão familiar e por um soneto da Florbela Espanca, que, como seria de esperar, era um dos meus ícones na adolescência.

A Uma Rapariga

Abre os olhos e encara a vida! A sina
Tem que cumprir-se! Alarga os horizontes!
Por sobre lamaçais alteia pontes
Com tuas mãos preciosas de menina.

Nessa estrada da vida que fascina
Caminha sempre em frente, além dos montes!
Morde os frutos a rir! Bebe nas fontes!
Beija aqueles que a sorte te destina!

Trata por tu a mais longíqua estrela,
Escava com as mãos a própria cova
E depois, a sorrir, deita-te nela!

Que as mãos da Terra façam, com amor,
Da graça do teu corpo, esguia e nova,
Surgir à luz a haste de uma flor!...

E depois do interlúdio poético, passo o desafio ao André A. Correia.

 

Esta entrada foi publicada em Genéricos. ligação permanente.

6 respostas a Eu

  1. PR diz:

    Obrigado por ter aceite o convite

  2. Carmex diz:

    Convide sempre!

  3. Buscopan diz:

    Que giro, foi o primeiro soneto da Florbela Espanca que me deste a conhecer. Devíamos ter 13 ou 14 anos.
    Beijinhos para ti!

  4. Carmex diz:

    Sim, e isso foi, no máximo, há uns 10 anos, não foi?!!!!

    Um grande beijinho!

  5. Buscopan diz:

    nem tanto…eheh

  6. Pingback: Grande post « Farmácia Central

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s