It´s the economy, stupid!

No princípio era o Verbo…

Não, não era isto que queria escrever. No início das primárias, toda a gente esperava que 2008 fosse o ano do regresso dos democratas à Casa Branca. Bush – independentemente dos méritos e disso falaremos dentro de uns anos – tem tido uma Administração extremamente impopular. Quase toda a gente queria votar este ano nos democratas. Mas estes, em vez de escolherem um bom candidato – Hillary ou Edwards – escolheram o menino prodígio que acha que é mais inteligente do que qualquer outra pessoa e que está destinado por Deus a governar o mundo e a trazer a paz à terra e a acabar com a fome e outras coisas boas e perfeitamente realizáveis só porque se elege uma pessoa muito inteligente para a Casa Branca.

Os americanos, que são muito menos burros do que os europeus, desconfiaram do pacote e foram mostrando que não se sentiam nada convencidos com Obama, colocando-o, na melhor das hipóteses, uns cinco pontos à frente nas sondagens – o que, na minha opinião, daria a vitória a McCain, já que Obama teve sempre sondagens mais vantajosas do que os seus resultados e haverá muito boa gente que tem vergonha de afirmar que não gosta do fenómeno Obama (também devido à raça, mas não apenas).

A Convenção Republicana foi um excelente momento e relançou a campanha de McCain, colocando-o à frente nas sondagens.

Até que a crise de Wall Street mudou tudo. E se os eleitores não responsabilizam os presidentes por um ataque terrorista ou pelos disparates proferidos pelos presidentes do Irão ou Venezuela, já não perdoam uma crise económica (mesmo que a responsabilidade seja alheia ao presidente do momento, o que acontece quase sempre). Os eleitores lembraram-se que o presidente actual é republicano, que no tempo do democrata Clinton a economia viveu uma grande expansão e, no meio disto tudo, aparentemente decidiram punir o republicano McCain e até o desagradável Obama, sendo democrata, merece o voto. A Rasmussen dá Obama cinco pontos à frente de Mccain e a Gallup dá uma vantagem de oito pontos. O que, se nada de substancial se alterar, deve dar a vitória ao menino do nariz empinado que acha que pode salvar o mundo pelo uso do seu charme.

Esta entrada foi publicada em Anestésicos. ligação permanente.

18 respostas a It´s the economy, stupid!

  1. AAC diz:

    Excelente post, mas a minha amiga não se vai livrar do anátema da inefável Palmira Silva 🙂

  2. Carmex diz:

    André, agora perdi-me…

  3. Carmex diz:

    Já percebi. A Palmira Silva está em campanha anti Mccain/Palin.

  4. AAC diz:

    Principalmente Palin. Ressabiada, dizem uns…

  5. Joao Farinha diz:

    “…mesmo que a responsabilidade seja alheia ao presidente do momento, o que acontece quase sempre…”

    Nem agora Carmex? O que ee que tu andas a ler rapariga?

  6. Carmex diz:

    JP, ando a ler coisas bem interessantes. No momento, por exemplo, a biografia do Frederick, the Great da Nancy Mitford.

    Quanto a este ‘wall street meltdown’, sei lá, leio coisas que revelam que as últimas administrações democratas passaram legislação que obrigava bancos e seguradoras a darem crédito para compra de casa a particulares de baixo rendimento (e, logo, grande risco), que o FED (instituição independente das administrações) durante anos manteve taxas de juro baixas o que deu a ideia que o crédito seria sempre barato e levou a endividamentos excessivos, entre muitas outras coisas. Confesso que não tenho lido nada que indique culpa exclusiva de GWB. Mas, claro, sou eu que tenho algum problema, porque toda a gente sabe que a culpa de todos os problemas foi da falta de regulação, do excesso de ganância e, inevitavelmente, do Bush.

  7. Carmex diz:

    Aliás, JP, nestas obcessões anti-alguém há sempre alguma irracionalidade: a pessoa é totalmente incomeptente, no entanto tem uma habilidade fora de série, maior do que de qualquer super-vilão do cinema, para causar caos e destruição à sua volta. Bush, já se sabe, teve uma administração incomeptente de que nada de bom saíu. Mas todos os problemas dos Estados Unidos e do mundo foram, é claro, causados por ele. Mas isto´não me espanta de quem já disse que os insucessos governativos de África eram culpa de Bush.

  8. PR diz:

    Só falta culpar Bush pelos furacões nos EUA…
    Pessoas que fazem este tipo de campanhas contra Bush são pessoas que não têm argumentos lógicos para debater ideias. É muito mais fácil dizer que Bush é um idiota do que procurar soluções lógicas para os problemas…

  9. Carmex diz:

    PR, mas é claro que os furacões são culpa de GWB: os furacões estão cada vez mais fortes devido às alterações climáticas, que, como toda a gente sabe, foram provocadas pela não adesão dos EUA a esse sucesso que é Quioto….

  10. Joao Farinha diz:

    Carmex,

    Um dos poucos aspectos positivos de tudo isto ee que ee tremedamente interessante de analisar, quase numa base diaaria, com papers e artigos de gente que sabe e que evitam dogmatismos.

    Repito, ee talvez o uunico aspecto positivo de tudo isto, podermos analisar uma das mais complexas manifestacoes de crise financeira (que segue no entanto um padrao antigo de “bank run”, mas desta vez ao “shadow banking system”) dum ponto de vista intelectual/profissional, com acesso ao melhor trabalho analiitico. Basta estares atenta, mas tu nao queres estar atenta, e de repente o teu sentido criitico evapora-se.

    Tendo em conta o papel que a poliitica monetaaria deve ter quando ee decidida pela mesma entidade que faz regulacao/supervisao financeira, o miinimo que se pedia era consistencia e prudencia. A administracao Bush ee notooria por ter negligenciado as suas responsabilidades neste aspecto. Durante 8 anos pediu a reguladores financeiros que desregulassem, e opos-se a vaarias tentativas de impor limites ao oobvio “leveraging” que estava a ocorrer.

    Numa base diaaria, tens artigos e conferencias a analisar esta situacao, e um desafio interessante ee tentar analisar as diferencas de opiniao. Mas um padrao oobvio que emerge, pode ser explicado assim:

    “…The roots of the US crisis, of course, go back to the years when Alan Greenspan was chairman of the US Federal Reserve. Then, money was easy and regulation light. The famous ninja (no income, no job and no assets) mortgage loans were as clear a sign of regulatory negligence as any. But these obvious signs of malfeasance were all too easily ignored when times were good and in the face of the current US administration’s hostility towards regulation…”

    http://www.project-syndicate.org/commentary/prasad3

    O que tens que evitar ee basear a tua opiniao em mitos e dogmas, especialmente que se trata de um mercado tao diferente como o mercado financeiro (lembras-te porque eu te dizia que este nao ee como o mercado das laranjas?).

  11. Joao Farinha diz:

    Em 2005:

    Oxley hits back at ideologues
    By Greg Farrell in New York

    Published: September 9 2008 19:25 | Last updated: September 9 2008 19:25

    In the aftermath of the US Treasury’s decision to seize control of Fannie Mae and Freddie Mac, critics have hit at lax oversight of the mortgage companies.

    The dominant theme has been that Congress let the two government-sponsored enterprises morph into a creature that eventually threatened the US financial system. Mike Oxley will have none of it.

    Instead, the Ohio Republican who headed the House financial services committee until his retirement after mid-term elections last year, blames the mess on ideologues within the White House as well as Alan Greenspan, former chairman of the Federal Reserve.

    The critics have forgotten that the House passed a GSE reform bill in 2005 that could well have prevented the current crisis, says Mr Oxley, now vice-chairman of Nasdaq.

    He fumes about the criticism of his House colleagues. “All the handwringing and bedwetting is going on without remembering how the House stepped up on this,” he says. “What did we get from the White House? We got a one-finger salute.”

    The House bill, the 2005 Federal Housing Finance Reform Act, would have created a stronger regulator with new powers to increase capital at Fannie and Freddie, to limit their portfolios and to deal with the possibility of receivership.

    Mr Oxley reached out to Barney Frank, then the ranking Democrat on the committee and now its chairman, to secure support on the other side of the aisle. But after winning bipartisan support in the House, where the bill passed by 331 to 90 votes, the legislation lacked a champion in the Senate and faced hostility from the Bush administration.

    Adamant that the only solution to the problems posed by Fannie and Freddie was their privatisation, the White House attacked the bill. Mr Greenspan also weighed in, saying that the House legislation was worse than no bill at all.

    “We missed a golden opportunity that would have avoided a lot of the problems we’re facing now, if we hadn’t had such a firm ideological position at the White House and the Treasury and the Fed,” Mr Oxley says.

    When Hank Paulson joined the administration as Treasury secretary in 2006 he sent emissaries to Capitol Hill to explore the possibility of reaching a compromise, but to no avail.

    Copyright The Financial Times Limited 2008

  12. Joao Farinha diz:

    EE verdade PR, Bush ee um idiota, mas nao ee o uunico…

    Mas muitos idiotas, em cargos de responsabilidade, sao “street-smart” o suficiente para se fazerem rodear de gente com sentiido criitico e que pode pensar de outra forma, e atee estar em desacordo. Quando assim ee, o idiota (esperto) ganha um mecanismo para testar decisoes, e evitar ser o simplista que nunca anticipa problemas.

    O Bush teraa criado muitos problemas ao mundo, e as pessoas podem ate nao concordar com quais problemas ele realmente criou, mas deste, deste ele nao se livra. Nem na semana passada, foi liider o suficiente para remediar a situacao. McCain? Pateetico!!! Na sexta-feira ficou calado na reuniao que ele convenceu Bush a convocar.

    Como dizia Buiter na terca-feira, “may you have a good depression”!

  13. PR diz:

    Joao Farinha, lamento imenso mas não posso estar de acordo.
    Por vezes, as pessoas que criticam Bush tão cegamente, esquecem-se que ele foi eleito. Tem assim tanta certeza de que ele é um idiota, e de que mais de 50% dos americanos são burros ao ponto de eleger um idiota para governar os EUA?
    E, além disso, o meu comentário acima referido pretendia também ironizar um pouco. A verdade é que, hoje em dia, aos olhos dos Europeus, qualquer coisa (seja ela qual for) que aconteça nos EUA é imediatamente imputada a Bush.
    E isso é errado. Com certeza que Bush não é perfeito, e que já cometeu muitos erros, mas já é quase moda transformar tudo aquilo que acontece nos EUA em produto da exclusiva responsabilidade de GWB.
    A meu ver, isto revela apenas falta de imaginação. É muito mais fácil ver o “Daily Show” e alinhar com o John Stewart do que puxar um pouco pela cabeça…

  14. Carmex diz:

    João Pedro, desculpa lá, mas li “dogmatismos” no início do teu post e não li mais. Tu, obviamente, não mudaste e a mim não me apetece estar à conversa com uma pessoa que não tem percepção das coisas suficientemente profunda (e nem é preciso assim tanto) para perceber que quem tem opiniões diferentes, tem opiniões diferentes e não tem de ser dogmática por isso, nem estar mal informada, nem ter défices de conhecimentos (o que, vindo de quem considera que os gastos públicos saõ sempre positivos ou que houve experiências comunistas que foram bem- sucedidas, é uma impertinência). Entre os dois, sinceramente, o dogmatismo está todo do teu lado. Fui acusada de dogmática logo quando há quase um ano me ousei declarar simpatizante das teorias económicas neo-clássicas e, como acho que já mostrei, já dei para esse peditório até mais do que devia. É que eu, apesar de não me ter posto a adjectivar-te ou à tua argumentação, não foi por falta de adjectivos pejorativos que me viessem à cabeça. Posso dizer, no entanto, que não partilho a tua confiança nas tuas capacidades teóricas.

    Por outro lado, tu discutes com as ideias que tu tens na TUA cabeça que eu tenho e que não são necessáriamente as ideias que eu tenho ou as coisas que eu escrevo, pelo que isto é tudo muito cansativo.

    Continuação de boa estadia nas Filipinas.

  15. Joao Farinha diz:

    “…gastos públicos saõ sempre positivos ou que houve experiências comunistas que foram bem- sucedidas…”?!??!?!

    Que simplista ee dizer isto Carmex, e ao mesmo tempo absolutamente “meaningless”! Nao percebeste nada desde o princiipio do debate…

  16. Carmex diz:

    Pois é, João Pedro, faltam-me as tuas absolutamente admiráveis perspicácia e inteligência para perceber o que tu percebes.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s