Consequências de excessivo poder do Estado (em qualquer das suas formas, no caso, supranacional)

Não entendo como uma legislação tão estúpida como esta que impede os produtores e distribuidores de venderem e os consumidores de comprarem fruta de boa qualidade e em boas condições apenas porque não tem a forma que as alminhas danadas de  Bruxelas entendem ser a certa para determinado tipo de fruta pode ser aprovada e, sendo-o, manter-se por mais de meia dúzia de dias. Mas enfim, o que não falta a nível nacional ou europeu são leis e regulamentações absurdas, inúteis no melhor dos casos, excessivamente custosas nos intermédios e totalitárias (porque suprimem a liberdade individual) nos casos piores, inventadas por luminárias que vivem na ilusão de que devem dar a conhecer aos outros, com os quais não são relacionados, que comportamentos e escolhas devem fazer nas suas vidas.

A UE vai agora levantar a proibição da venda de frutas e legumes “deformados” (há quem diga que com a forma sempe diferente normalmente produzida pela Natureza e que alimentou a humanidade desde que começámos a locomover-nos em dois membros, mas essas pessoas estão ainda pouco formatadas, qual selvagem do Brave New World) para 25% do mercado das frutas e legumes. (Pelos visto comer uma maçã “deformada” continua a fazer mal às entranhas esteticamente sensíveis dos europeus.)

Não me surpreenderia se – e uma vez que hiper-regular está no sangue de qualquer burocrata – agora se planeasse uma directiva comunitária em sentido oposto, que obrigasse todos os distribuidores de frutas e legumes a venderem nas suas instalações frutas e legumes “deformados”.

(Ler, sobre este disparate, mais esta notícia: Banco Alimentar impedido de distribuir frutas e legumes por falta de autorização da União Europeia, no Público.

Advertisement
Esta entrada foi publicada em Vacinas. ligação permanente.

4 respostas a Consequências de excessivo poder do Estado (em qualquer das suas formas, no caso, supranacional)

  1. fernando antolin diz:

    Sempre gostava de saber se a UE alguma vez determinou o tamanho e formato dos “cornos” destas bestas que nos governam…! Santa paciência !!

  2. Carmex diz:

    É uma pena não regularem o QI mínimo, que esse desconfio ser assim para o pequeno…

  3. PR diz:

    Impressionante, esta notícia.

    Pela minha área profissional, já sabia de alguns exemplos de cegueira legislativa da UE, mas formas de frutas e legumes???
    É absolutamente ridículo que haja alguém, pago por nós (enquanto europeus) cujo trabalho seja estar num gabinete a escrever qual a forma correcta de frutos e legumes que, se calhar, nunca viu à frente.

  4. Carmex diz:

    Pois, PR, não há limites para a fúria legisladora.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s