O senhor PM começa a ser embaraçoso, para além dos vários stinky affairs com que, justamente ou não, foi relacionado

Estas duas notícias do Sol sobre Sócrates fazem-me perguntar: terá ele alguma noção do que afirma? E a resposta é, convictamente: não. Neste caso – Sócrates considera investimento público «imperativo moral» – só pode estar a gozar com os eleitores de forma pouco subtil. É que mesmo se por razões de não deixar que no curto prazo a situação seja dramática (e ninguém sabe a que ponto vai ser dramática nem se investimento público a vai melhorar) se decida investir, fingir que não há riscos nessa política é simplesmente falta de seriedade gritante. A dívida que se vai transmitir para as gerações futuras não pode ser escamoteada (e se no longo prazo o Sr. Sócrates está morto, os meus filhos não), a escassez de crédito resultante para as empresas também não se deve ignorar, as ineficiências criadas por muita intervenção estatal vão perdurar e, por fim, num país onde o Estado vai pela primeira vez consumir mais de metade da nossa produção, considerar mais gastos públicos “um imperativo moral” é de fazer desconfiar se Sócrates se vendeu secretatamente a Lenin. (E a argumentação de que tudo é “estratégico” e sem esse investimento Portugal africanizar-se-á em definitivo só é suportada por uma grávida com a ajuda de uma daquelas bolinhas anti-stress.) A propósito desta necessidade de investimento, a responsabilidade com que isto é visto pela Comissão Europeia está a anos-luz deste senhor.

Quanto ao conselho de Sócrates para que os empresários “corram riscos”, ah como eu gosto sempre destes conselhos de quem nunca pagou ordenados e segurança social de outros na vida (com a excepção eventualmente da empregada doméstica), e em especial de quem sempre (ou quase sempre) recebeu ordenados pagos pelos contribuintes. Como sou uma menina bem-educada, não respondo ao repto do senhor engenheiro. Como não sou burra – e sei a rentabilidade que os investimentos da era Sócrates tiveram – vou ignorar o conselho. Investimentos nestes anos só ponderadamente e com minimização de riscos. Não se deve dar ouvidos a quem não percebe o que diz.

Já agora aproveito e comento a entrevista de Sócrates à RTP. a) A relação de Sócrates com a verdade não é em definitivo aquela que me ensinaram como boa desde pequenina; não devido ao caso Freeport (não faço ideia do que é verdade), mas pela incomensurável lata de Sócrates sobre as palavras do PR; ouvindo-o, e não tendo ouvido o PR, até parecia que Cavaco andava preocupado com o governo da Papua Nova-Guiné. b) Sócrates esteve mal: irritado, mal-educado, sem ter ensaiado bem ao espelhos as feições para a parte da vitimização. c) Nada de novo saíu da entrevista; Sócrates diz que estamos no melhor dos mundos e se não estamos ele preparou-nos para isso e foi uma sorte termos contas públicas na ordem à conta de uma subida da carga fiscal para agora podermos suportar um défice que pode ir a quase 10%. Deus e cada um de nós nos valha, que a autortidade temporal não está à altura.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Alucinógenos. ligação permanente.

2 respostas a O senhor PM começa a ser embaraçoso, para além dos vários stinky affairs com que, justamente ou não, foi relacionado

  1. António Aroso da Silva Carmo diz:
  2. Golo diz:

    Vocemecê lê aquela coisa do Sol ? Pensava que gostava de outra leitura mais saudável. Enfim, cada um com as suas. Ele até há quem vote na Manuela Ferreira Leite. Por aqui já a gente vê como isto vai. Saudações para a botica e bons lucros no fim do ano. Que haja saúde. Golo

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s