Manias

Se há coisa que não entendo é esta mania das pessoas escreverem sobre o que não sabem.

Vamos por partes:

1. O casamento religioso não se chama matrimónio (por oposição a casamento, que seria civil), mas sim casamento. Foi o Estado que foi buscar o casamento à Igreja (e esta à natureza humana, com a sua propensão para se agrupar e constituir família) e não o contrário.

2. O objectivo do casamento católico não é apenas a procriação; estão lá também a expressão do amor, a comunhão de vida e mais umas coisas bonitas.

3. A Igreja – como, de resto, qualquer organização – deve expressar a sua opinião sobre aquilo que entender pertinente. E é muito estalinista pretender o contrário.

4. O casamento civil não só é reconhecido (entre pessoas não baptizadas é tão vinculativo, para a Igreja, como um casamento religioso de um católico) como é necessário para o casamento religioso.

5. O local próprio para a Igreja defender os seus pontos de vista é onde a Igreja entender, desde que não viole a lei.

6. É crente e membro clero quem quer, pelo que, sendo-o, aceita as condições prévias. Um bocadinho diferentes são as leis do país, a seguir por todos, crentes ou não, com concordância ou não.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Alucinógenos. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s