O polvo

Numa opinião a que decidiu dar o título de “A cabeça do polvo” Mário Crespo (MC) afirma, e cito:

«Por tudo isto é inconcebível que Manuel Godinho tenha sido o cérebro do polvo que durante anos esteve infiltrado nas maiores empresas do Estado. Ele nunca teria conhecimentos técnicos para o conseguir ser. Houve quem o mandasse fazer o que fez. Godinho saberá subornar com de sacos de cimento um Guarda-republicano corrupto ou disfarçar com lixo fedorento resíduos ferrosos roubados (pags 8241 e 8244 do despacho judicial). Saberá roubar fio de cobre e carris de caminho de ferro. Mas Godinho não é mais do que um executor empenhado e bem pago de uma quadrilha de altos executivos, conhecedores do sistema e das suas vulnerabilidades, que mandou nele. É preciso ir aos responsáveis pelas empresas públicas e aos ministérios que as tutelam. Nas finanças públicas, Manuel Godinho não é mais do que um Carlos Silvino da sucata. Se se deixar instalar a ideia de que ele é o centro de toda a culpa e que morto este bicho está morta esta peçonha, as faces continuarão ocultas. E a verdade também.» (realce meu)

MC aponta baterias para os altos quadros das empresas públicas e da esfera política – a culpa é toda “dos outros” – o que quanto a mim é não só insuficiente, mas praticamente irrelevante. O maior causador da corrupção que grassa no país é o cidadão anónimo, somos nós próprios, porque há muito abandonámos qualquer sentido de exigência.

O português comum não é exigente para com os responsáveis políticos e outros que ocupam cargos de grandeza similar, como os gestores de empresas públicas e afins. Se o fosse, não deixaria que um Primeiro-ministro envolvido em tantos “casos peculiares”, como tão bem designou a Carmex num post mais abaixo, voltasse a assumir responsabilidades governativas.

Por outro lado, o português comum tem horror que alguém seja exigente com aquilo que faz, a ver-se pelas sistemáticas reacções corporativistas sempre que alguém pretende alterar o status quo. Exemplo maior nos últimos tempos é a avaliação dos professores; qualquer pessoa com meio palmo de testa percebe pela actuação de Mário Nogueira que não é o modelo de avaliação que está em causa, mas simplesmente alguém querer avaliar o trabalho dos professores.

Last but not least, o português comum não é exigente com ele próprio. A sua preocupação última é que o ordenado (ou o subsídio) caia na conta bancária ao fim do mês. Preferencialmente sem muito esforço.

Enquanto uma cultura de exigência não estiver no âmago de cada um de nós esta vergonha jamais será alterada. Venham os Comissários Corrado Cattani que vierem.

(+)

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Genéricos. ligação permanente.

4 respostas a O polvo

  1. No caso dos professores, como em toda a função pública, muito mais do que avaliar o que se pretende com o sistema de avaliação é impedir – ou retardar – a progressão nas respectivas carreiras e poupar uns quantos euros ao Estado.

    Por mim até concordo com a avaliação. Daí não perceber o alarido quando se estalece como critério a um policia de transito a quantidade de multas que apresenta.

  2. ventilan diz:

    Não sei se o objectivo, declarado ou encapotado, da avaliação dos professores era o congelamento da progressão automática das carreiras. Um sistema baseado em anos de serviço e não em competência e mérito é manifestamente um ataque à cultura de exigência que considero fundamental para Portugal ser um país melhor a todos os níveis, e estas coisas mexem sempre com os interesses instalados.

  3. Pode ter razão nos considerandos mas repare que o sistema continua a ser baseado nos anos de serviço. Só que de três passou para dez. Para mim a questão continua a ser ao fim de quantos anos e porquê é que a progressão automática deixa de ser má para passar a ser boa!

  4. ventilan diz:

    Quanto a mim, passar de 3 para 10 anos continua a ser uma manhosice…

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s