Exercícios de democracia nos debates blogosféricos

Quando a reflexão e o debate democrático já escapam completamente às altas instituições políticas do país e às personagens de que se fala nos jornais e nas televisões, é reconfortante verificar que o debate ainda existe na blogosfera e noutros locais de comunicação de ideias. Ainda há espaço para respirar neste espaço comum. Muito se diz da blogosfera, do Facebook, e de outros espaços virtuais, e muito do que se diz é exacto: também servem para propagar a mentira, o ódio, a inveja, o mal-dizer mesquinho. Também servem para as várias dimensões do mal, desde anular ou neutralizar quem pensa pela sua própria cabeça e não é permeável à nova relativização ética e moral que agora serve a ditadura do pensamento único. Uf!, esta tirou-me o fôlego. O mal tem outras dimensões e todas perversas e destrutivas. Segue sempre a lógica da morte, sempre. É só segui-la, a lógica da morte e está lá a sua face perversa. A sua linguagem é a da agressividade, do ataque, da humilhação do outro. Não sabe dialogar, negociar, debater, reflectir. É que reflectir é um perigo, por isso ataca primeiro, antes que reflectir se torne um hábito, e surja respeito pelo pensamento livre.

E tudo isto para introduzir aqui um debate de um tema ainda quente, de tão recente e de tão polémico: a promulgação presidencial do casamento de pessoas do mesmo sexo. Polémico pelo tema em si, polémico pelo timing escolhido (logo após a visita do Papa Bento XVI a Portugal), e polémico sobretudo pelos argumentos apresentados pelo Presidente e pela sua decisão final. O debate seguiu na blogosfera – o espaço que conheço melhor – mas não me admira nada que continue no Facebook, porque é um tema que envolve a vida social, a nossa organização colectiva, e que antecede as causas fracturantes que se seguem: a eutanásia, o suicídio assistido, o testamento vital (cruzes credo, que ainda nos antecipam o prazo de validade…) Mas voltando à promulgação desta nova modalidade de casamento, o debate mais interessante passou-se aqui:

1. via Blasfémias, um post do blogue A Revolta: A propósito do veto – O enterro dos valores
2. No Cachimbo de Magritte: Crónicas da Renascença: Consciência e Circunstâncias
3. Ainda no Cachimbo de Magritte: Deus nos proteja dos católicos
4. No Corta-fitas: A promulgação do Casamento Gay por Cavaco Silva: eleitoralismo Republicano
5. Ainda no Corta-fitas: Decadência

Há pessoas que se enebriam pela sua auto-importância, perdem a noção da realidade e das proporções, a noção da transitoriedade da vida, da insignificância da nossa história no grande plano, no tempo-espaço universal, da nossa enorme fragilidade e vulnerabilidade, e de como tudo isso torna significativa e misteriosa a própria vida, essa energia vital, esse milagre da existência. De como o respeito por todas as criaturas se inscreve em todas as nossas células vivas desde o berço, desde a nossa dependência inicial à nossa progressiva autonomia. De como o respeito por todas as criaturas é fundamental para poder decidir sobre a vida de outros, a organização das suas existências. É uma responsabilidade enorme, um desafio imenso! Não sentir isso revela uma incapacidade para gerir o destino de outros, de uma comunidade, de um país.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Farmácias de Serviço, Vitaminas. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s