Os 7 pecados mortais (6ºepisódio: uma sociedade que se estrutura nas dependências)

Uma sociedade conformista e que se estrutura nas dependências é uma sociedade frágil e vulnerável. Entregar a outros as decisões mais importantes e determinantes das nossas vidas é um risco e um erro que nos pode ser fatal. Só os próprios podem decidir e dispor das suas vidas e energia vital. E só na autonomia podem decidir de forma reflectida e adequada.

O que vemos hoje? Uma auto-negligência generalizada, uma tendência para se deixar conduzir, para se deixar seduzir, para se deixar surpreender, ainda que por estímulos  plastificados e decadentes, simulacros apenas. A luxúria entra aqui, como mais uma dependência: “desejo passional e egoísta por todo o prazer sensual e material.” E a definição da Wikipedia carrega mais na tecla: “Apego aos prazeres carnais, corrupção dos costumes, sexualidade extrema, lascívia e sensualidade.” Aquilo que à partida é próprio de uma fase de desenvolvimento natural e de descobertas maravilhosas, digamos assim, o prazer de estar vivo, de sentir, de respirar por todos os poros, pode cristalizar numa dependência como a “sex addiction” promovida pela cultura actual. Um dos sinais é a insistência perversa em performances em vez de se focarem nos sentimentos. Reforçam-se assim comportamentos próprios de eternos adolescentes em adultos na idade madura. Eternos sedutores e seduzidos num jogo superficial e descartável. Aqui a luxúria está ligada, a meu ver, ao entretenimento das massas, pobre substituto dos afectos.

A autonomia implica maturidade, aceitação dos seus limites e qualidades, delimitação de fronteiras entre o seu espaço e o dos outros, entre a sua vontade e capacidade de decisão e as dos outros. Sendo autónomo, procurará construir a sua própria realidade, o tipo de vida que mais lhe convém, fará as suas próprias escolhas baseadas na reflexão.

A sociedade actual organizou-se nas dependências: consumo de ideias, de comportamentos aditivos, de tendências, de rotinas, de objectos. As pessoas são vistas enquanto consumidores acríticos de tudo o que se lhes apresenta à frente, sejam soluções políticas, sociais, económicas, até à imagem desejável de cada um.

A ira, o pecado que faltava abordar, também acaba por se revelar numa sociedade de conformistas e dependentes. O sentimento de impotência, a fraca tolerância à frustração, tudo predispõe para a perda de controle das situações. Reparem na definição da Wikipedia: ” sentimento mental e emotivo de conflito com o mundo exterior ou consigo mesmo, em que podemos perder o controle das nossas acções. … Envolve perda de racionalidade (ups!) e leva a cometer erros de que nos arrependemos posteriormente (glup!). Não confundir ira com ódio. … A ira é uma explosão forte de um sentimento negativo, proveniente de uma contrariedade, de uma desilusão, de um acontecimento inesperado e negativo, de uma inconformidade ou de uma culpa.”

Como facilmente se conclui, está melhor preparado para lidar com os imponderáveis da vida quem observa, reflecte, antecipa, decide e escolhe. Deve, pois, defender-se essa margem de autonomia de cada indivíduo. Margem de autonomia que se está a perder com a negligência e conformismo generalizados. Uma sociedade assim organizada não está equipada para os desafios do séc. XXI.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Sapatos Ortopédicos. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s