O que eu gostava mesmo de ser…

… era um liberal empedernido, um libertário maximizado. Poupava meia dúzia de cafés por dia para acalmar a quantidade de nervos (sim, a cafeína faz-me baixar a pressão, ou se calhar não) que os destinos do nosso país me fazem. Acreditar piamente que o Estado não serve para nada era o maior dos ansiolíticos que poderia administrar-me, mas terei de deixar a cura de parte.

O SNS tem de ser universal e tendencialmente gratuito, o ensino básico também – e calhando também o secundário e o universitário. Tem de haver subsídio social para os desempregados e para os mais pobres. Tem de haver transportes públicos com exploração deficitária para promover a utilização racional do carro próprio. Têm de existir para cima de 700.00 funcionários públicos para darem assistência aos 10.555.853 residentes em Portugal continental e nas ilhas adjacentes, vulgo regiões autónomas.

Alguma vez, neste quadro, conseguiremos pagar o que devemos? Evidentemente que não!

(Nada que mais uma bica não acalme já de seguida.)

Esta entrada foi publicada em Anabólicos, Antipiréticos. ligação permanente.

2 respostas a O que eu gostava mesmo de ser…

  1. Portugal precisa mesmo de liberalismo. O problema é que não basta ter um governo liberal. É preciso também que a sociedade seja liberal – que as pessoas tenham autonomia, sejam empreendedoras e tenham iniciativa sem estarem sempre à espera da ajuda do estado. E isso, infelizmente, não temos. Por isso não será fácil sair deste buraco.

Deixe uma Resposta para André A. Correia Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s