A Esperança

A Liturgia da Palavra de ontem apresentou-nos uma passagem da Carta de S. Paulo aos Romanos (capítulo 8)  a que recorro muitas vezes quando dela necessito: “Irmãos: Eu penso que os sofrimentos do tempo presente não têm comparação com a glória que se há-de manifestar em nós.”

Para além do sentido escatológico destas palavras, e da certeza que contêm, há nelas para mim um convite para as realizarmos hoje na história. Esta certeza da Esperança de um mundo melhor começa a ser construído por cada um de nós, junto daqueles que nos são mais próximos.

Vem isto a propósito dos desafios que nos esperam. Sabendo de antemão que a pobreza terá um campo privilegiado para crescer, muitos necessitarão de uma rede eficaz de solidariedade que possa, essa sim, fazer a justa distribuição de quem mais tem para aqueles que verdadeiramente mais necessitam. Não pode ser o Estado a fazê-lo, porque não sabe. Somos nós, nas nossas famílias, nas nossas comunidades locais, que sabemos aonde é necessário chegar.

A Esperança crescerá na solidariedade que manifestarmos.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Vacinas. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s