Lá se vai o estado social

Portugal vai ter nos próximos quatro anos a segunda mais baixa taxa de fecundidade do Mundo, com apenas 1,3 filhos por mulher, apenas ultrapassado pela Bósnia-Herzegovina (1,1), de acordo com um relatório hoje divulgado pelas Nações Unidas.

Este é para mim um dos maiores dramas que nos esperam. Antigamente eram os filhos que tomavam contas dos pais na sua velhice. Hoje, graças talvez a um estado demasiado generoso, são os pais reformados que ajudam os filhos e netos, o que vai acabar por imperativo do ajustamento a que todos estamos sujeitos. Num futuro relativamente próximo não há gente nova no sistema para garantir um mínimo de estado social – quem paga as pensões são os trabalhadores que estão no ativo – nem os rendimentos disponíveis permitirão sustentar dignamente a família nuclear, quanto mais a terceira idade. Se esta tendência não se inverter é o fim de jogo. O Sahara chegará ao sul da Europa mais rápido do que se esperava.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Anabólicos, Anestésicos, Antiácidos. ligação permanente.

2 respostas a Lá se vai o estado social

  1. Ativo diz:

    Não é difícil combater. A emigração é uma excelente solução, o problema é que os europeus são xenófobos.

  2. André A. Correia diz:

    A imigração só poderá ser parte da equação se o país crescer de forma sustentável, o que permite a criação líquida de postos de trabalho. Na minha perspetiva medino-carreirista isto não acontecerá nos próximos tempos – talvez 1 ou mesmo 2 décadas. Até lá estamos atolados.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s