Bill Clinton vendeu bem o valor colaboração e os programas de empowerment da classe média

Muito inteligente este discurso de Bill Clinton em que valoriza o “we’ re in this together” em contraste com o “you’ re on your own” republicano. Irei tentar analisar a perspectiva cultural do marketing político, de um lado e do outro, e tentar desmontar alguns equívocos. Do discurso de Bill Clinton destaca-se o valor colaboração entre indivíduos, grupos, comunidades, e governo. Na sua postura simples e tolerante, e recorrendo a exemplos da vida real que todos entendem, foi um sucesso e a sua mensagem fortíssima. Concentrou-se essencialmente nos temas economia, desemprego, o acesso ao ensino universitário e o healthcare.

Trata-se afinal de um comunicador muito talentoso que consegue captar a atenção e o entusiasmo do público. O seu estilo é o do orador – bom vendedor, mas a verdade é que não consigo deixar de simpatizar com a sua presença em palco e com a sua incrível capacidade de comunicação. Foi eficaz a vender-nos a ideia de um Obama capaz de enfrentar os enormes desafios económicos. Vamos ver agora se consegue vender este Obama ao próprio Obama. Não que Obama não tenha uma ideia insuflada das suas próprias capacidades, próximas de um super hero. Refiro-me ao guião para os próximos 4 anos aqui apresentado por Bill Clinton.

Como TPC proponho analisar se esta dicotomia de valores “colaboração democrata – individualismo republicano” corresponde à perspectiva cultural dominante de uns e de outros. E se poderemos falar de uma dicotomia entre liberdade individual e colaboração, isto é, se a colaboração não será natural e espontânea. Um equívoco que me parece surgir no lado dos democratas é o papel dominante que dão ao governo na fórmula colaboração. Um equívoco no lado dos republicanos é a insistência no sucesso individual e na competição como fórmula amiga da economia.

Só um à parte: em ambos os lados, ainda não ouvi qualquer referência aos bancos e ao peso e impacto que tiveram nas dificuldades de muitos cidadãos. Em ambas as propostas não é explicado porque é que, no final da cadeia, é sempre o cidadão mais frágil a sofrer na pele os prejuízos.

Mas voltando ao TPC: qual dos discursos está mais sintonizado com as prioridades das novas gerações, o democrata ou o republicano? Qual das propostas está mais receptiva a abranger a complexidade cultural e a diversidade de valores, de objectivos, de estilos de vida? Se estamos a caminhar da massificação para a diversificação, como penso ser a tendência, e se isso implica uma sociedade cada vez mais informada e exigente, quem está melhor preparado?

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Alucinógenos, Vacinas, Vitaminas. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s