Os 7 pecados mortais (4º episódio: os limites da cultura corporativa)

Se a cultura corporativa conseguisse respeitar a simples dinâmica de uma organização – o equilíbrio -, talvez se conseguisse manter sem grandes problemas, pois poucas seriam as pessoas a aperceber-se da sua natureza corporativa. Digamos que passariam incólumes pelas diversas mudanças partidárias. Mas no ADN da cultura corporativa está precisamente o desequilíbrio, ao implicar à partida uma divisão muito clara entre um grupo dominante e os outros (pecado: soberba), com privilégios e tratamento diferenciado. Logo, é nesse desequilíbrio, provocado pela soberba, que está a génese dos outros pecados. E é esse desequilíbrio que a levará a confrontar-se com os seus próprios limites.

Assim, quais são os pecados em que a cultura corporativa exagerou e, ao fazê-lo, tornou visível a sua verdadeira natureza?

a gula, isto é, a “voracidade boçal”: sorver tudo, própria do insaciável, do insatisfeito. Ao esgotar todos os recursos existentes (fisco, despesa a disparar, buraco do BPN, desvarios vários, buracos ainda desconhecidos, negócios e negociatas, etc.), e futuros (parcerias público-privadas, estradas de portugal, dívida e défice), comprometeu a sua própria fonte de rendimento e o seu maior alibi, a “crise internacional”. De caminho, comprometeu igualmente a soberania nacional, a recuperação económica do país e o futuro das novas gerações;

a avareza, isto é, o medo de perder o que se possui: combina com apego, escassez, pobreza. Ao querer manter a todo o custo privilégios e mordomias – na fase em que já não há recursos disponíveis, vivemos de empréstimos, e em que parte da população já está na pobreza e outra parte para lá caminha, com crianças e idosos a passar fome, em que a Igreja já não tem mãos a medir para ajudar os que recorrem para refeições e outros apoios -, foi a fotografia com flash e tudo. Mesmo que se apelide de democracia, todos percebem agora que alguma coisa está mal, e que de democracia, a cultura corporativa tem muito pouco.

A gula e a avareza levam, necessariamente, à pobreza e à tirania. Porquê? Porque contrariam toda a lógica da vida, da energia vital, de uma economia saudável e próspera. Ao condicionar e limitar a economia, retiram-lhe a vitalidade. A economia vive de trocas, de negócios, de colaboração, de dinamismo, de criatividade, de investimento, de confiança, de gestão de expectativas, de qualidade de produtos, de informação fiável, de produtores-criadores e clientes. A partir do momento em que este circuito é adulterado e deformado, já teremos problemas. E como uma economia com problemas não cria recursos para todos e os que dominam o jogo não querem abdicar dos poucos que restam, temos problemas ainda mais graves. É nesta fase que estamos agora: a fase da pobreza, da escassez, da perda de confiança, do medo, do desequilíbrio social acentuado, do desânimo e da revolta.

Os verdadeiros pilares da estabilidade nacional e da coesão social, os que têm segurado as pontas desta situação-limite, têm sido a sociedade civil, a Igreja e o CDS na AR. E também alguns municípios. Não vejo mais nenhum a tocar nas questões essenciais, com iniciativas concretas, trabalho no terreno, dedicação diária e sistemática. Podemos ouvir algumas palavras de circunstância, mas isso não muda nada.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Sapatos Ortopédicos. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s