Coligação pré-eleitoral? Não, obrigada.

Parece que agora (na opinião de Paulo Portas mas não só) a salvação da república virá de uma coligação pré-eleitoral entre o PSD e o CDS. Ora estando eu no lado do PSD que é próximo do CDS, não posso deixar de reconhecer o óbvio: uma coligação pré-eleitoral entre PSD e CDS é um monumental disparate. E o argumento (contra) dos resultados eleitorais de uma coligação (penso que uma coligação tem menos votos do que a soma de PSD e CDS em candidaturas separadas) não é sequer o mais importante. A questão fulcral é: ou bem que os dois partidos têm projectos políticos diferentes e se candidatam separadamente, sabendo que uma coligação pós-eleitoral é provável, ou bem que politicamente não se distinguem e então tratem da fusão e não apenas da coligação. É assim que as democracias crescidinhas funcionam, com benefícios evidentes. Claro que isto implica a existência de projectos políticos de centro-direita nos dois partidos, algo que, até ver, não existe. E assim se chega ao outro argumento contra a coligação pré-eleitoral: seria uma excelente desculpa para o PSD continuar sem se definir ideologicamente. E tendo as grandes reformas que normalizaram a nossa democracia e a economia sempre provindo do PSD, esta indefinição sinaliza um partido que pretende continuar refém das ideias socializantes – e sem um projecto para o país diferente do que poderia ser adoptado pelo PS.
Esta entrada foi publicada em Antipiréticos, Esteróides. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s